Publicações

Conheça quatro tipos de terapias especiais para o tratamento de feridas

Por Gabriella Collodetti | Proativa Comunicação

Você sabia que dentro do tratamento de feridas é possível encontrar diferentes tipos de estratégias para realizar a cicatrização cutânea de maneira rápida e efetiva? O avanço das tecnologias possibilitou um aumento considerável de curativos dentro do mercado de saúde, o que otimizou os resultados e, consequentemente, a qualidade de vida do paciente.

Entre as variedades de tratamentos, há os curativos especiais. Estes conseguem destaque por serem menos dolorosos e por, acima de tudo, promover mais conforto ao paciente. Além disso, as técnicas envolvidas nesse processo possibilitam uma redução nas trocas dos materiais utilizados. Interessante, não é?

O melhor de tudo é que há tanta opção que o paciente se sente confortável em encontrar métodos alternativos para o seu tratamento, desde que, claro, corresponda às necessidades da lesão.

Para entender um pouquinho mais sobre o assunto, separamos alguns curativos que são bastante conhecidos na área de Enfermagem. Quer saber mais? Então vamos lá!

  1. Terapia de laser

Conhecido também como laserterapia, Fototerapia ou Terapia de Fotobiomodulação, o método busca a reparação tecidual com aplicação de laser de baixa intensidade. O processo, além de tudo, é isento de dor e efeitos colaterais.

As feridas que se adequam a esse tipo de tratamento estão relacionadas, normalmente, a lesões contaminadas, necrosadas (dependendo da quantidade de tecido necrosado) e também àquelas que estão em qualquer fase do processo de cicatrização. As úlceras diabéticas e venosas também se adequam ao tratamento com laser por estimular a circulação, fato que é deficitário nessas comorbidades.

É importante frisar que esse método não possui energia capaz de causar danos à pele, o que é benéfico para o paciente.

De modo geral, a estratégia acelera a cicatrização da lesão ao mesmo tempo em que estimula a vascularização local. Com ação analgésica e bactericida, o tratamento não é tóxico e nem mesmo invasivo.

  1. Ácido Hialurônico

O Ácido Hialurônico é formado pelo ácido glucurônico e a N-acetilglicosamina. A junção de ambos contribui para a formação de colágeno e elastina, o que incentiva a regeneração cutânea e promove a hidratação profunda da pele.

A substância pode ser utilizada no tratamento de 14 problemas na pele, entre eles o pé diabético, linfagite bolhosa, herpes, queimadura de 1º e 2º graus, feridas diabéticas e também ictiose. As áreas com ressecção cirúrgica e feridas com formação de tecido de granulação também podem ser tratadas com o ácido.

O interessante por trás de todos os seus benefícios é o ácido possui a capacidade de atrair as moléculas de água para preservar a hidratação local. Além disso, ele também possui ação antisséptica e bactericida.

Entre outras características, podemos citar:

– Recuperação cutânea com rapidez e eficácia;

– Diminuição da dor local;

– Auto degrada o tecido necrótico;

– É classificado como cobertura não aderente, ou seja, não adere ao leito da ferida.

Ah, fique atento: o ácido é contraindicado no caso de feridas com secreções purulentas, viu?

  1. Curativo Hidrocelular e Hidropolímero

Esse tipo de curativo é composto, geralmente, por três camadas sobrepostas, onde a primeira trata-se de uma espuma hidrocelular capaz de absorver fluídos. As outras duas partes do material evitam a agressão aos tecidos no momento da remoção. É indicado para feridas exsudativas que estão em fase de cicatrização, feridas superficiais e com cavidade.

Apesar de serem benéficos para lesões com maiores índices de saída de líquidos, os curativos hidrocelular e hidropolímero possuem algumas limitações, sendo elas:

– Não indicado para feridas infectadas – há curativos com prata que são indicados para lesões infectadas -, com necrose e grande quantidade de exsudato;

– Queimaduras de segundo e terceiro grau;

– Feridas secas.

  1. Curativo com Nitrato de Cério

Com efeito anti-inflamatório e antibacteriano, o nitrato de cério auxilia na redução do tempo de internação dos pacientes lesionados.

Esse tipo de curativo é indicado no caso de queimaduras, úlceras (de perna e por pressão), feridas geradas por pé diabético e feridas traumáticas e cirúrgicas.

Por ser capaz de diminuir a colonização bacteriana, o nitrato de cério auxilia no tratamento de feridas onde há risco de infecção. A apresentação do material pode estar acompanhada de colágeno e com alginato de cálcio, cujo intuito é preservar a umidade do leito da ferida.

Atenção: É importante que você saiba que essas informações não são suficientes para iniciar um tratamento. É necessário a avaliação da lesão e do doente por um profissional.

Não realize auto tratamento. Antes de usar qualquer tipo de curativo, consulte um médico ou enfermeiro dermatologista ou estomaterapeuta, afinal, o uso de curativos deve ser feito sempre sob a supervisão de um profissional

social position

Compartilhar

Comments (2)

  • Cosma Maria Reply

    Excelente informação! Já participei de cursos com essa instituição e realmente são ótimos!
    Profissionais que entendem mesmo do assunto.

    agosto 1, 2019 at 23:01
    • Gabriella Reply

      Prezada Cosma Maria,

      Agradecemos o carinho.

      Conte sempre conosco.

      Att.,
      Equipe Cenfe

      agosto 5, 2019 at 13:20

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *